Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Se a inês sabe disto

Um país de corruptos e de xico-espertos?

 

A coisa já tinha um picozinho a azedo com as viagens para assistir aos jogos do Europeu de futebol. O mau cheiro intensificou-se com o conhecimento de milhares de e-mails e relações promíscuas entre magistrados, ministério público e um clube de futebol, o que a juntar ao processo Marquês e às vigarices de Ricardo Salgado, Dias Loureiro e outros, relacionados com o BES, o BPN, o BPP e outros bancos e ainda com as aldrabices de alguns senhores deputados que para receberem uns milhares de subsídio conseguem morar em vários locais diferentes, impestou o país de um cheiro tão nauseabundo que a notícia de mais uma vigarice por parte de um ex-secretário de estado, não passou de mais uma caganita no monte de esterco em que o país está atolado.

Desta vez coube a "fava" (nada a ver com a homónima ex-mulher do nosso ex-primeiro, Sócrates,  que vivia à grande e à francesa, literalmente, com uns cobres sacados a Carlos Santos Silva, um benemérito beirão que de tão doce mamar, se assemelha ao licor com o mesmo nome) a João Vasconcelos. Convenhamos que é azar, porque o senhor já havia sido caçado no tal assunto que causou um picozinho, o das viagens ao Euro-2016, o que o obrigou a pedir a demissão do cargo de secretário de estado da indústria. Era agora o organizador do congresso do Partido Socialista, mas uma incómoda investigação à obtenção ilícita de fundos comunitários por uma sociedade detida pela sua mulher e de que é sócio, levaram a que o senhor adoecesse repentinamente e renunciasse a mais um cargo. Neste assunto mal-cheiroso, estão também envolvidos o filho de Pinto Balsemão, Francisco Maria, também ele sócio na dita empresa e outros de que por enquanto se desconhece a identidade. Foram, como manda o melhor bom senso, constituídos arguídos. A coisa terá acontecido em 2010, o que quer dizer que as viagens apareceram depois, fruto talvez do sentimento de impunidade que esta gente toda sente, quando pratica actos ilícitos ou pelo menos de duvidosa legalidade.

Será que finalmente o país quer chamar à pedra os corruptos, os xico-espertos e outros proxenetas do erário público e tornar isto um local de gente decente?

Se sim, a malta agradece!