Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Se a inês sabe disto

Memória curta

O parlamento europeu reconheceu hoje o usurpador do poder na Venezuela, Juan Guaidó, como "presidente interino legítimo".

Sabemos que a composição do parlamento europeu é uma mistura de credos e religiões e um saco de gatos enorme, onde pontificam até deputados eleitos por partidos declaradamente fascistas, ultra-direitistas e outros "istas" a que se julgava ter posto cobro com o fim da segunda grande guerra. Esta tomada de posição não é , portanto, surpresa. Meia surpresa será o número de votos a favor, cerca de quatro vezes mais que os votos contra, numa votação expressiva e sem margem para quaisquer dúvidas. As notícias não informam qual o sentido de voto dos deputados portugueses (oriundos de vários partidos, CDS, PSD, PS, PCP e BE), mas teria alguma curiosidade em saber do sentido de voto dos deputados dum país que tem na Venezuela cerca de 300.000 compatriotas ou luso-descendentes.

Hoje o ministro da defesa do governo português considera até o envio de tropas para a Venezuela.

O ministro dos negócios estrangeiros, juntando-se a outros colegas da UE, dá um prazo de oito dias para Maduro convocar eleições presidenciais.

Eu queria chamar aqui a atenção para quem faz o favor de ler este postal, que Portugal é um país que se rege por uma constituição que todos estes senhores juraram respeitar (e defender) quando tomaram posse. Está lá, para quem não conheça, no Artigo 7:º no Capítulo das Relações Internacionais no seu n.º1 o seguinte: Portugal rege-se nas relações internacionais pelos princípios da independência nacional, do respeito dos direitos do homem, dos direitos dos povos, da igualdade entre os Estados, da solução pacífica dos conflitos internacionais, da não ingerência nos assuntos internos dos outros Estados e da cooperação com todos os outros povos para a emancipação e o progresso da humanidade.

Ora bem, atenta a constituição atrás descrita, sua excelência o ministro da defesa caga-se na lei fundamental do país e vai de avançar com uma posição que nos vincula a todos, sendo que à luz da CRP o país não concorda com ele. Sim, a constituição é uma chatice, mas a frase "cumprir a constituição" e já de si uma redundância, porque constituição é sinónimo de cumprimento. Então concluimos que os senhores ministros que já se manifestaram, tomaram medidas anti-constitucionais e sua excelência o presidente da república deveria fazer o que a constituição o obriga a fazer: Chamar a atenção ao primeiro-ministro (que curiosamente é uma espécie de Guaidó, mas com legitimidade eleitoral, já que o outro não concorreu para presidente) para exonerar estes senhores ministros que envergonham quem entende que a constituição deve ser a pedra basilar porque se rege o país.

O Maduro é um maduro? Talvez seja, talvez tenha feito merda, mas há tanto governante por esse mundo a fazer merda e o PE e os nossos excelsos ministros ninguém os ouviu a piar... Não querem exemplos pois não? É que bastava o genocídio na Nigéria ou na Birmânia para contrapôr, mas fiquemo-nos pela Venezuela, que é só, apenas, o país que tem as maiores reservas de petróleo do mundo e que faz questão de ser ele a tomar conta desse recurso. Pois, não é como certos países que agora se preocupam tanto com a democracia e os direitos dos cidadãos e venderam tudo o que dava lucro ao estado ao desbarato. Alô EDP, alô Portugal Telecom, alô CTT, alô, alô, alô...

O Maduro é um pouco louco? Talvez seja, um gajo que fala com um pintassilgo deve ser um bocado apanhado dos cornos, mas o seu governo e antes o de Chavez, trouxeram a milhões de venezuelanos educação, saúde e sobretudo habitação, acabando com milhares de favelas. Com o dinheiro do petróleo, pois claro, que era da ExxonMobil, da Chevron, da Standard Oil, etc. que têm em comum o quê? Adivinhem... Pois, companhias americanas!

Eu até estou à vontade, como vossências se aperceberam atrás, para dizer que não me revejo naquele tipo de governação, a armar para a alienação, mas há um factor essencial para esta equação que não podemos deixar de emparcelar: Aquilo é na América do Sul, com todos os defeitos e algumas, poucas, virtudes que têm os políticos sul-americanos e salvo raras e honrosas excepções, nascidos dentre o espectro político de dezenas e dezenas de anos de corrupção, crimes contra a humanidade, o diabo a sete. Reparem, se Portugal tem 44 anos de Democracia e ainda é o que é, imaginem uns tipos que desde que se conhecem que são governados por gatunos. Pois, meia dúzia de anos de democracia é muito pouco para consolidar seja o que for e à América do Sul a Democracia chegou há pouco tempo. Sim, teve um início fulgurante no Chile de Allende, mas a esse fizeram logo o "favor" de o assassinar.

E portanto, agora temos novamente o mundo dividido em dois blocos. Dum lado os americanos que levam a reboque os fracos dirigentes europeus, e de outro a China e a Rússia, que não querem ver os seus interesses postos em causa.

E os palermóides dos nossos ministros andam a carnavalar no meio desta merda toda. 

Enxerguem-se, caralho!