Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Se a inês sabe disto

E lá prenderam o homem

As primeiras horas de Lula na cadeia

 

Com a negação do habeas corpus interposto pelos seus advogados, Lula lá foi dentro.

Não sem que antes proferisse um extenso discurso na sede do seu antigo sindicato, de onde saiu para a vida política.

Um discurso carregado de simbolismo e com destinatários directos: Os juízes do tribunal federal que lhe negaram o que está constitucionalmente previsto (convem recordar que à luz da lei, Lula está inocente, visto que há um recurso para um tribunal superior, não tendo por isso a sentença que o condenou a 12 anos e um mês transitado em julgado e não podendo ser preso por isso mesmo) e aos seus apoiantes.

A ambos reafirmando que é inocente (é tão verdade como o facto de o tribunal não ter apresentado quaisquer provas da sua culpabilidade em julgamento. Em Portugal nunca seria condenado, para se ter uma ideia da coisa, porque compete à acusação o ónus da prova), aos primeiros reforçando a sua determinação em demonstrar essa sua declarada inocência, numa posição de aberto confronto, legal mas principalmente político, porque este "julgamento" tem tudo de político e nada de legal. Não se tivesse Lula declarado candidato às presidenciais de Outubro próximo e não haveria julgamento sequer. Aos segundos dando alento e afirmando-se disponível para lutar ao seu lado por um Brasil melhor.

Ao afirmar, quase no final do discurso que  “Já não sou um ser humano, sou uma ideia e uma ideia não pode ser aprisionada. Um ser humano, sim. "Todos vocês vão virar Lula." Eles têm de saber que a morte de um combatente não pára a revolução”, deu um sinal para a luta aberta, que vai ter lugar, cedo ou tarde.

Aguardemos pelos próximos capítulos, e ver o que sai  do acampamento montado junto à cadeia de Curitiba onde se encontra.

Entretanto Temer, indiciado e com um extenso rol de provas em poder do ministério público continua presidente, depois do golpe de estado contra Dilma.

É o Brasil e os seus políticos, não se surpreenda.