Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

SE A INÊS SABE DISTO!

Decidi dormir na "Fábrica"

Cada vez mais é importante que saibamos dar valor aos deslumbrantes lugares, vilas, aldeias e cidades portuguesas que fazem do nosso país um dos destinos mais apetecíveis de sempre para os turistas. O célebre slogan "viaje para fora cá dentro" nunca fez tanto sentido como agora. E assim fiz--me à estrada e rumei ao Porto. A magia de cada viagem reside na forma como nos apetece vivê-la e eu tinha em mente um roteiro de sítios que queria revisitar. Teria por isso de ficar instalada o mais perto possível do centro. Já tinha ouvido falar da "Fábrica 55", inaugurada em Dezembro de 2020 (arquitectura de reabilitação liderada por Rui Miguel Nina e Bruno Teixeira), localizada a 200 metros da Livraria Lello, no Porto, entre o Hard Rock Café e o Vogue Café. É muito mais central do que esperava e as expectativas neste campo estavam por isso mais que superadas.

Para quem não sabe, a rua onde ficam estas instalações está carregada de História. Chama-se Rua da Fábrica porque na época do Porto setecentista era ali que ficava a Real Fábrica do Tabaco, uma das mais icónicas e rentáveis indústrias do Porto daquela altura. E era também comum ver por ali circular Camilo Castelo Branco, Guerra Junqueiro e Eça de Queirós. 

Mas voltemos à "Fábrica 55". Quem nos recebe faz questão de que nos sintamos em casa a partir do momento em que entramos nas instalações. São afáveis, simpáticos e sempre disponíveis para esclarecer qualquer dúvida ou necessidade que tenhamos. Quanto ao apartamento onde fiquei nem sei por onde começar. Para já ainda cheira a novo, o piso é em parquet, tem uma kitchenette totalmente equipada, uma área de refeições, uma televisão de ecrã plano com canais por cabo e uma casa de banho privativa com chuveiro e produtos de higiene pessoal gratuitos. É preciso pedir mais? Não! Mas a estas características acrescento ainda a vista a que tive direito, a higienização do espaço nota 10 e a decoração tão acolhedora que faz-nos sentir de coração reconfortado. ´Se quiserem passar pela experiência poderão reservar um apartamento ou estúdio na "Fábrica 55" aqui.

Já cá fora estamos a 0,2 km da Torre dos Clérigos, 0,6 kms do Coliseu do Porto, 0,9 kms da Ponte D. Luis I e do Rio Douro e 1,9 kms da Casa da Música. Quanto à gastronomia, permitam-me que sugira o Café Santiago para uma francesinha daquelas à séria, a Casa Guedes, para quem quer literalmente derreter-se com uma sandes de pernil com queijo da serra derretido, passo a expressão. Meus amigos, acreditem, vale bem a pena. E já agora, de regresso à "Fábrica 55", passem pelo restaurante "A Taska", mesmo ali pertinho. Podem perguntar pelo Tiago. Ele irá certamente servi-los com a simpatia do costume, bem como a de todos os funcionários. 

Escolhi o Porto por ser uma das minhas cidades preferidas, quer pela óbvia riqueza cultural e arquitectónica, mas também pela cordialidade das pessoas, o charme da vida nocturna, que agora está bastante condicionado, pela variedade gastronómica e até pelo simples encanto de contemplar  um entardecer à beira-rio, bem no centro histórico da cidade. Façam o mesmo. Vão ver que vale a pena!