Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

SE A INÊS SABE DISTO!

SE A INÊS SABE DISTO!

30 de Dezembro, 2017

Estou fodido!

Edmundo Gonçalves

 

water-1442909_1280.jpg

 

Perdoem o vernáculo do título, mas há estados de espírito que não podem ser descritos de outra forma.

Assisti ontem a uma reunião de uma Assembleia Municipal surrealista e onde todo o sentido democrático e de responsabilidade e de compustura esteve arredado de alguns membros que, sendo eleitos pelo povo de um concelho, deveriam ter a obrigação de, nas suas decisões, ter em conta os interesses maiores desses mesmos eleitores e por conseguinte munícipes e consumidores de água.

Façam os caros leitores o favor de fazer (passe a redundância) este exercício simples: Os senhores têm uma empresa que fornece determinado serviço, que está dependente do fornecimento de uma entidade terceira. Essa entidade aumenta o produto que os senhores vendem aos vossos clientes em 4%. O que fariam os senhores? Provavelmente a maioria de vós repercuteria isso no preço final. Pois os SIMAR, os Serviços Intermunicipalizados de Loures e Odivelas, que para além de recolherem os resíduos sólidos urbanos e de colectar os esgotos, fornecem água aos dois concelhos, vão fazer incidir na factura da água um valor de 1,4%, correspondente ao valor da inflacção, assumindo como sua quota-parte os 2,6% que perfazem os 4% em que a EPAL lhes aumentou a água que lhes fornece.

Para não vos massar muito, o que estava ontem em causa era a aprovação dos documentos provisionais (ou seja, aprovar a forma como as receitas dos SIMAR podem ser utilizadas, uma vez que o "orçamento" já havia sido previamente aprovado na Câmara Municipal e não carece de fiscalização da AM), onde, apesar de assumirem um valor de mais de dois milhões de Euros naquele aumento de que vos falei atrás, apresentam o maior investimento dos últimos anos, concretamente na rede de águas, com previsão de intervenções de fundo em Sacavém, Santo António dos Cavaleiros e Loures, zonas onde os problemas de abastecimento têm sido mais complicados, dada a vetustez das condutas, algumas com mais de sessenta anos.

Os SIMAR são uma empresa intermunicipalizada gerida pelos concelhos de Loures e Odivelas. A Câmara de Odivelas é gerida pelo Partido Socialista, com maioria absoluta, e a de Loures pela CDU, com maioria relativa. Este "orçamento" foi construído em conjunto pelos dois municípios e como já disse, foi aprovado em ambos os executivos municipais.

O que me deixa fodido (e mais uma vez perdoem o vernáculo), é que o Partido Socialista de Odivelas em Assembleia Municipal seguiu o sentido de voto da câmara e votou favoravelmente, mas em Loures, contrariando o que aconteceu na câmara, em que deixou passar o documento, votou contra. Está no seu direito, obviamente. Não pode é, hipocritamente, aduzir como motivo o aumento de 1,4% nas tarifas, quando não o contrariou na Câmara Municipal. Isso é má fé, é pulhice, é baixa política, é o vale tudo, é a sacanice, é a revanche por uma derrota num concelho que foi provavelmente o único onde o PS perdeu votos, é o nepotismo de um indivíduo que ocupa vários cargos e distribuiu outros pelos familiares e que sempre esteve contra a criação dum serviço público intermunicipal em detrimento da privatização dos ex-Serviços Municipalizados de Loures.

No meio disto tudo, não passam pelos pingos da chuva os presidentes das Juntas de Freguesia de Sacavém e Prior Velho e Santo António dos Cavaleiros e Frielas, autarquias onde estava previsto grande parte do investimento na rede de águas, ambos eleitos pelo PS e que votaram contra, também. Saberão os seus fregueses que continuarão a ter as falhas de água recorrentes por tempo indeterminado e que quem foi eleito para defender os seus interesses, se esteve marimbando para eles, envolvendo-se numa trica partidária? Ficam, também eles, muito mal na fotografia!

Desculpem a pessoalização do post, isto provavelmente não vos interessará absolutamente nada, mas isto é o espelho de grande parte da "classe política" que nos "governa": Gente que nunca fez a ponta dum corno na vida, que emergiu das juventudes partidárias promovido pelos pais (o deste disse, quando o fulano foi eleito vereador, que já tinha a reforma garantida), pelos familiares, pelos amigos, para perpetuar os interesses deles e dos seus e viverem todos à sombra do grande chapéu da Democracia.

Democracia? Democracia o Caralho!

28 de Dezembro, 2017

Quando te estás a borrifar para a Passagem do Ano

Patrícia Teixeira

2017.jpg

Como disse um dia Carlos Drummond de Andrade: "Quem teve a idéia de cortar o tempo em fatias, a que se deu o nome de ano, foi um indivíduo genial. Industrializou a esperança, fazendo-a funcionar no limite da exaustão. Doze meses dão para qualquer ser humano cansar-se e entregar os pontos. Aí entra o milagre da renovação e tudo começa outra vez, com outro número e outra vontade de acreditar que daqui pra diante vai ser diferente". A meu ver, esta euforia que cerca a noite da passagem de um ano para o outro não podia ter sido mais sabiamente descrita. Sou suspeita, é verdade! Porque desde que me lembro de ser gente não sinto qualquer tipo de ligação afectiva ao dia 31 de Dezembro. Muito menos deposito nesta data a esperança de que todas as rotinas prejudiciais que adoptei no ano que agora finda serão eliminadas da minha vida como que por magia. Não tenho aquele impulso generalizado de fazer o "tal" balanço do ano que está prestes a despedir-se de nós. Não tenho vontade de fazer novos planos a correr só porque vai entrar um ano novinho em folha na minha vida. Para mim, e esmiuçando com alguma frieza (assumo) esta data o que fica da passagem do ano é isso mesmo...o avançar do tempo! Sou feliz por natureza e prefiro que esses novos planos e promessas de emendas futuras se renovem a cada dia, a cada mês. 

Tenho pouca paciência para qualquer festa que implique a quase obrigatoriedade de exibirmos alegria com o máximo de exuberância possível. Vou passar essa noite em casa, entre família e amigos. Mas se a passasse sozinha, muito provavelmente a única reflexão que faria teria a ver com decisões relativas às escolhas Netflix para o serão. Não existe qualquer sentimento negativo implícito nas minhas palavras. Pelo contrário! Quem me conhece de cor sabe que estou na maioria das vezes de bem com a vida. E respeito quem se deixe influenciar pela alegria da festa, pelos preparativos que a antecedem e pela magia associada à contagem decrescente para a entrada do novo ano. Só gostava de perceber porque é que a mudança de mês ou de semana não é tratada com o mesmo entusiasmo. Eu, por exemplo, adoro a passagem de Agosto para Setembro. É nesta altura que usufruo em pleno da praia que tenho à porta de casa, onde consigo finalmente retirar o máximo proveito de cada pôr-do-sol que, esse sim, inspira-me para definir novos sonhos, novas metas. Adoro a chegada das quintas-feiras, onde começo a traçar o plano para o fim-de-semana. Quase sempre composto por coisas simples, mas que me enchem a alma. 

Posto isto, aproveito a deixa para desejar-vos um excelente 2018 e obrigada por nos acompanharem diariamente aqui no blog. 

27 de Dezembro, 2017

Um filme de terror chamado "Desactivei temporariamente o meu perfil do Facebook"

Patrícia Teixeira

 

help.jpg

 

 

Um dia acordei e decidi cancelar a minha conta do Facebook. Estava consideravelmente saturada da informação desnecessária com que somos diariamente bombardeados nas redes sociais. Mas fazer uma triagem das amizades facebookianas, além de requerer tempo e paciência que eu não tinha, pareceu-me algo cruel e presunçoso, afinal, fui euzinha quem permitiu que aquelas pessoas entrassem na minha rede de amigos virtuais. Por isso, enchi-me de coragem e decidi bloquear esta rede social da minha vida!

Preparada para enfrentar os mais variados olhares e comentários esquizofrénicos (bem como alguma exclusão social), lá entrei no Facebook pela "suposta" última vez (embora já com uma certa e contraditória nostalgia, confesso). Segui as indicações para que a conta fosse eliminada e, a poucos segundos de reconquistar a liberdade, começa o filme de terror. Sou confrontada com a pergunta:"Isto é temporário?". Naquele momento passou-me tudo pela cabeça : "E se um dia preciso de entrar em contacto com a pessoa X? Não devo precisar, até porque se ela fosse importante na minha vida eu já teria o nº de telefone. Mas mesmo não tendo o nº de telemóvel da Sara, sempre achei piada aos bolos que ela faz com as figuras da Disney. E se um dia  a minha sobrinha faz uma birra porque quer um bolo com os Três Metralhas?". E pronto, temendo um futuro cheio de problemas circunstanciais deste género, lá respondi que sim, que era uma decisão temporária. Missão cumprida! Espalhei aos sete ventos, cheínha de orgulho, que já não tinha Facebook. Sete dias depois, nem mais minuto nem menos minuto, eis que o meu perfil renasce das cinzas sem que eu tenha feito rigorosamente nada em prol dessa "ressureição". 

Moral da história: o Facebook é querido, democrático e aceita as decisões das pessoas. Mas ao fim de 7 dias ele ressuscita sozinho! Pois...é verdade! E se mantivermos a decisão de continuar afastados desta rede social, somos obrigados a passar outra vez pelo mesmo processo doloroso e burocrático. Semana após semana! E sempre a mesma e temível pergunta: "Isto é temporário?". Mais ou menos como nas audiências de divórcio...Não há volta a dar!

22 de Dezembro, 2017

Sempre quero ver como descalçam a bota

Edmundo Gonçalves

catalunha.jpg

 

 

Mariano Rajoy aplicou o célebre artigo 155º da constituição espanhola na Catalunha, destituindo o governo em funções, tendo suspendido a autonomia e convocado eleições antecipadas na região; Talvez convencido que sairia reforçado deste acto eleitoral, que decorreu ontem de forma pacífica e com enorme afluência (votaram mais de 81% dos eleitores inscritos).

Como se diz lá pela minha terra, "saiu-lhe o cão no carreiro". Não só não saiu reforçado, como foi completamente pulverizado e o resultado obtido é pouco mais que ridículo. Conseguiu três deputados apenas. Se já antes era um pouco contra-natura uma imensa minoria de 14 deputados (os que detinha o PP) decidir os destinos da região, é hoje claro que com 3 deputados apenas, qualquer arremedo de decisão que Rajoy tome sobre a Catalunha, será alvo da chacota de todos os que nutrem algum sentimento de simpatia pelo regime democrático.

É certo que quem sai em primeiro nestas eleições é o Ciudadanos, que apanhou os cacos da derrocada do PP, tendo alcançado 37 deputados (mais 3 que o partido de Puigdemont, o ex-líder do governo autonómico, exilado na Bélgica), no entanto o bloco independentista conseguiu 70 dos 135 lugares no parlamento, dando-lhe uma margem confortável para formar governo.

A questão relevante no momento é a seguinte: Se quem ganhou as eleições, ou melhor, se o bloco que defende a independência teve maioria absoluta dos votos, se mais de 50% dos eleitores votou nos partidos que defendem a separação de Espanha e a refundação da República, será legítimo exigir a este bloco que prescinda do cumprimento do seu programa eleitoral e, outrossim, que defraude os eleitores que nele confiaram?

Parece-me que o referendo que tantos pensavam para depois destas eleições, governo espanhol incluído se os resultados tivessem sido diferentes, está feito! uma larga maioria absoluta dos 81% de votantes ratificou os programas dos que defendem a independência.

Cá estou, no meu cantinho, a observar como Rajoy, a Espanha e a União Europeia descalçam esta bota.

 

Festas Felizes

21 de Dezembro, 2017

Isto é chique à brava!

Patrícia Teixeira

online-shopping-1082727_1280.jpg

Há certas coisas que já me podiam ter chegado aos ouvidos antes! Então não descobri agorinha mesmo (sempre atrasada neste tipo de coisas) que quem tem dificuldade em escolher os presentes certos para dar no Natal pode recorrer a uma Personal Shopper e de forma totalmente gratuita? Passo a explicar...Os centros comerciais Alegro Alfragide e Alegro Setúbal sabem que todos queremos surpreender os que nos são mais queridos com aquele presente especial nesta quadra. No meu caso a boa vontade e o empenho estão sempre ao mais alto nível mas na hora H, nem sempre é fácil encontrar aquele presente que me garante que irá surpreender o destinatário e que, ainda por cima, caiba dentro do orçamento disponível. 

Imaginem só que a pensar neste stress de última hora, a Personal Shopper and Stylist Inês Viana está disponível para fazer as compras connosco nestes dois centros comerciais, ajudar-nos a fazer as melhores escolhas e, imaginem, de forma muito rápida e eficaz. Ou seja, há sérias probabilidades de não termos de passar a véspera de Natal na correria dos centros comerciais. Sendo assim, para quem deixou as compras de Natal para os últimos dias, podem ir já a "correr" ao site Alegro e fazer a inscrição para ususfruir deste serviço que, como já mencionei, não tem qualquer custo associado. Ah, e se quiserem, A Inês ainda dá uma ajudinha para escolher o look para arrasar na noite mais longa do ano e entrar em 2018 ao melhor estilo.

 Boas compras e boas festas!

 

Mais informações: http://alegro.pt/blog/detalhe/personal-shopper-de-natal-bcaf26

 

My Style Alegro.jpg

 

 

Pág. 1/3