Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Se a Inês Sabe Disto

Se a Inês Sabe Disto

28 de Agosto, 2017

Será o melhor sushi do mundo?

Patrícia Teixeira

6a00df351eb58e88340162fd42536f970d.jpg

Sukiyabashi Jiro é um dos melhores restaurantes de sushi de Tóquio. E contra isso parece não haver grande argumentação possível. O chef Jiro Ono, proprietário do restaurante, tem 87 anos, já conquistou três estrelas Michelin e foi reconhecido pelo governo japonês como "tesouro nacional" e "mestre", pela contribuição que oferece à culinária japonesa. O espaço onde tudo acontece é minúsculo, com lotação para dez pessoas e a decoração simples e minimalista. Aliás, até fica meio escondido no subsolo, mais exactamente na estação de metro de Ginza.  

6a00df351eb58e88340162fd4215af970d.jpg

Os pratos do chef Ono são a prova mais óbvia de que as aparências realmente iludem. As peças de sushi são apresentadas ao cliente de forma simples, sem enfeites, mas o que é essencial está lá: o sabor, o peixe mais fresco, o arroz cuidadosamente seleccionado e cozido e o corte perfeito. Cada degustação tem um custo aproximado de 200 euros. E se tiverem intenção de lá ir é bom que reservem com, pelo menos, um mês de antecedência. E não se desiludam se ao fim de meia hora ficarem despachados desta experiência gastronómica. É que esse é o exactamente o tempo necessário para, segundo o chef, degustar cada iguaria com calma, e a seguir dar lugar a outro. As peças de sushi vão sendo postas no prato pelo chef, uma a uma, e ele aconselha que não as deixemos repousar tempo demais :"perde-se grande parte da essência do sabor", justifica. Conta quem lá esteve que é uma das experiências mais enriquecedoras para o paladar. Aqui fica o documentário Jiro Dreams of Sushi, caso queiram conhecer mais detalhadamente a história deste chef e deste espaço tão afamado a nível internacional, bem como detalhes a respeito da confecção de cada peça.

 

 

19 de Agosto, 2017

Adivinhem quem está de regresso?

Patrícia Teixeira

 

11©Paulo Sabino.jpg

Fotos: Filipe Ferreira e Paulo Sabino

Estiveram dois meses em cena, sempre com sala esgotada, foram aplaudidos por 17.535 pessoas e estão agora de regresso, já a partir do dia 7 de Setembro, desta vez ao palco do Auditório dos Oceanos, no Casino Lisboa. 
Eles apresentam-se como "o musical mais estúpido e genial de todos os tempos - uma Rua Sésamo em esteróides, que junta à estética Muppets uma linguagem tão adulta, que só funciona mesmo porque a vida é uma longa marcha de tédio em direção à campa. Ah, e porque as músicas são bestiais". E eu, sinceramente, nem sei por onde começar. Como diria o elenco de "Avenida Q"..."que merda que eu sou...!". Mas vamos lá tentar...
Trata-se de uma adaptação do original "Avenue Q", que fez grande sucesso na Broadway. E só para início de conversa, e não é fiada, se têm intenção de assistir ao vivo e a cores a este espectáculo, apressem-se a comprar o bilhete antes que o vejam por um canudo. 
A adaptação não podia ter sido mais bem esgalhada e fiél à nossa realidade! A primeira impressão é que se calhar até podíamos ter levado miúdos. Há actores em palco, mas há também bonecos e marionetas! Mas depressa percebemos que a viagem vai ser ousada, deliciosa, sexy, super divertida e inteligente! Com bolinha vermelha no canto, entenda-se.  É impossível não rir do princípio ao fim! E tudo se passa ali, na Avenida Q. A morada de um grupo de jovens que alimentava sonhos de criança, como qualquer um de nós, mas que cresceram e enfrentam agora outra realidade, bem dura e distante do que sonharam em tempos. Há contas para pagar, amores não correspondidos, sonhos que se perderam, frustrações camufladas por preconceitos.
Ah, e por falar nisso, preparem-se! É que na "Avenida Q" temas como o racismo e a homossexualidade são discutidos sem pudores nem paninhos quentes, de forma aberta e directa. Mas sem nunca descer do salto, obviamente! Tudo feito com nível. As piadas conseguem ser intrépidas e inteligentes, ousadas e assertivas, mas sem nunca quebrar as barreiras do bom gosto! Todas as personagens do elenco cantam muito bem e é impossível sair dali sem vir para o carro a trautear aquelas músicas. Há até uma banda em palco, imaginem. Um grande bem-haja a todas as pessoas envolvidas neste espectáculo. 
 
Ficha Artística
Autores Robert Lopez, Jeff Marx, Jeff Whitty 
Encenação Rui Melo 
Tradução e Adaptação de Texto Henrique Dias 
Tradução e Adaptação de Canções Henrique Dias e Rui Melo 
Direcção Musical Artur Guimarães 
Desenho de Luz Paulo Sabino 
Produtor Associado Gonçalo Castel-Branco Produção Força de Produção
Interpretação Ana Cloe, Diogo Valsassina, Gabriela Barros, Inês Aires Pereira, Manuel Moreira, Rodrigo Saraiva, Rui Maria Pêgo, Samuel Alves, Artur Guimarães, Luis Neiva e André Galvão

 

17467514_10211053073076651_682449187_n.jpg

Nós e o elenco

 

_08A2760_Avendia Q_©Filipe Ferreira.jpg

_08A2782_Avendia Q_©Filipe Ferreira.jpg

_08A2872_Avendia Q_©Filipe Ferreira.jpg

_08A2911_Avendia Q_©Filipe Ferreira.jpg

_08A2922_Avendia Q_©Filipe Ferreira.jpg

_08A3120_Avendia Q_©Filipe Ferreira.jpg

_08A3143_Avendia Q_©Filipe Ferreira.jpg

_08A3158_Avendia Q_©Filipe Ferreira.jpg

4©Paulo Sabino.jpg

7©Paulo Sabino.jpg

9©Paulo Sabino.jpg

11©Paulo Sabino.jpg

20©Paulo Sabino.jpg

29©Paulo Sabino.jpg

 

17 de Agosto, 2017

O jeito que esta casa ainda vai dar!

Patrícia Teixeira

101089eeebee39a0f49655e5c1665448.jpg

 

Hoje acordei com a Terra a tremer na minha zona. Naqueles breves segundos passou-me tudo pela cabeça. Principalmente que dava um jeitaço que todas as casas deste Mundo estivessem apetrechadas com uma espécie de bunker, no qual pudessemos abrigar-nos em caso de catástrofe. E a verdade é que de uma maneira geral nunca tivemos tanto receio de assistir ao fim do Mundo como agora. Aliás, existem cada vez mais empresas que estão atentas a estes nossos receios e aproveitam-se disso para vender casas preparadas para proteger e sustentar a vida das pessoas no caso de haver uma guerra nuclear, ataque terrorista ou desastre natural. E desenganem-se se acham que um "modesto" bunker (esconderijo subterrâneo com tudo o que precisamos para viver) é suficiente! Precisamos de sobreviver sim, mas com estilo! Mesmo que seja debaixo da Terra. E como a sede de fazer negócio roça por vezes a irracionalidade, nos Estados Unidos, por exemplo, são aos pontapés as campanhas publicitárias de empresas que tentam vender estes “buracos” de luxo com o recurso descarado à palavra “apocalipse”.

E há até quem, num acto extremo de precaução, já se tenha mudado para o subsolo. Existe um número considerável de casas de luxo subterrâneas, um pouco espalhadas por todo o mundo. A "Silo House", nos Estados Unidos, é uma das mais bem apetrechadas. Mas viver na escuridão é uma questão que, naturalmente, levanta controvérsia. E foi a pensar em opções mais solarengas, que uma construtora polaca, a KWK, concebeu, em 2009, a "Safe House". E é muito fácil mandar construir uma igual. Basta ser milionário e tudo se resolve!

É considerada totalmente impenetrável. Com uma área útil interior de 556m2, foi construída na periferia de Varsóvia, na Polónia. Concebido pelo arquitecto Robert Konieczny, o projecto demorou 2 anos a ficar concluído. E a aventura começa no portão principal. Para início de conversa, não vale a pena chegarmos a casa cheios de pressa. É que, depois de passarmos o primeiro "obstáculo" com sucesso, existe um período de segurança que temos de aguardar até que a porta da casa seja aberta. As paredes são móveis (2,2 metros de altura e 22 metros de comprimento), abrem durante o dia e fecham-se automaticamente à noite, transformando a casa num autêntico cubículo de betão. Dá-se prioridade à tecnologia avançada em detrimento da beleza arquitectónica. As persianas têm 2,8 m de altura por 3,5 m de largura. Existe uma ponte levadiça que conduz ao terraço, onde encontramos  uma piscina. Numa das paredes da casa existe um portão enorme de alumínio, fabricado por uma empresa que habitualmente trabalha com companhias aéreas, onde está afixado um ecrã gigante, destinado à projecção de filmes. O preço da construção nunca foi oficialmente divulgado. Seguem as imagens...

 

b1595686b1bbfa2c024f9b4597051e5f.jpg

5972dc5ba46bea54d8afc55b3296e47a.jpg

6efad58b14f0b901e42934187462b730.jpg

420a52125f941d321f831baaeaef9cb9.jpg

52d8c0ebed8d62958d05a2d320e00f56 (2).jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

15 de Agosto, 2017

Como larguei o vício das redes sociais

Patrícia Teixeira

mobile-phone-1917737_960_720.jpg

Por vários motivos que não vêm agora ao caso, estou há um mês quase completamente desligada das redes sociais e até do telemóvel. O Instagram está em stand-by e só entro diariamente no Facebook para actualizar a página do blog. Durante este período de desintoxicação reuní algumas dicas bastante úteis para quem está com intenção de fazer o mesmo. Passemos a elas...

Desactive as notificações do smartphone - À excepção daquelas que são realmente importantes, as notificações por tudo e por nada obrigam-nos a estar constantemente a olhar para o telemóvel. Não me parece imprescindível saber que a pessoa x acabou de publicar uma foto no Instagram e muito menos que a pessoa y iniciou um vídeo em directo no Facebook. A não ser que um deles tenha publicado a chave do Euromilhões e o outro esteja em directo da Lua, são informações com fraca probabilidade de acrescentar algo à minha vida e que, por isso, podem ficar para depois. Aliás, isto bem conversadinho era deixar de seguir páginas, pessoas e grupos que verdadeiramente não nos interessam. Seremos menos bombardeados no futuro com actualizações desnecessárias.

Se jantar em casa, deixe o telemóvel noutra divisão. Já agora, e se for mesmo possível, coloque-o em modo silencioso. Destaque para a diferença entre "modo silencioso" e "modo vibratório". No meu caso, como tenho telefone fixo em casa, muitas vezes tenho optado por desligar o telemóvel até ao dia seguinte. Quem é importante na minha vida sabe como contactar-me. 

Desinstale todas as aplicações que já não usa. Mais tarde ou mais cedo acabamos por abrir esta ou aquela aplicação que lá está só porque sim mas que não nos oferece utilidade absolutamente nenhuma. Se tiverem de fazer uma lista de compras, por exemplo, optem pelo método antigo e escrevam tudo num papel. Desfilar no supermercado com uma folha na mão ainda é mais normal (espero!) que desfilar com um telemóvel na esquerda e um pacote de ervilhas na direita. 

Sempre que a tentação for maior que a razão, experimentem usar o telemóvel para ouvir música em vez de divagar nos posts profundos e nostálgicos que invadem o Facebook de manhã à noite. De pessoas igualmente profundas e nostálgicas. Lembrem-se que existem livros, filmes e conversas em lista de espera. 

Quando as saudades das redes sociais comecarem a apertar, dê uma espreitadela rápida para ficar actualizado quanto às novidades e coscuvilhices sobre a vida das outras pessoas. Se vir alguma coisa realmente bombástica...partilhe! Mas fique ciente que este será um dia perdido no processo de desintoxicação. Pelo menos até ao dia seguinte terá de responder a eventuais comentários e contabilizar o número de likes. Sujeito a ficar ligeiramente deprimido se ninguém reagir. Por isso, pense bem antes de agir!

Nos fins-de-semana e feriados vamos ser radicais! Desliguem a internet do telemóvel. Aproveitem para matar o vício tirando fotografias à família, aos amigos, às patuscadas, aos animais e uma ou outra selfie (sem exageros). Não vos vá ser diagnosticado algum distúrbio social. 

Se estiver de férias e com sérias dificuldades neste processo de desintoxicação, peça à pessoa que lhe está mais próxima que crie um código de bloqueio no seu telemóvel e que não o transmita a ninguém. Principalmente a si próprio. Coragem, é só por uns dias! Caso não resista a tocar no smartphone, instale por exemplo o Runstatic e vá fazer uma corrida ou caminhada. Fica a par de todos os detalhes do exercício (calorias gastas e kms percorridos) e ainda consegue matar o vício. 

Se estiver entre amigos ou família, em vez de pegar no telemóvel, experimente iniciar uma conversa sobre a era em que não existiam telemóveis nem redes sociais. Tente lembrar-se de como funcionava a vida e como eram as relações entre as pessoas. Partilhe histórias engraçadas e caricatas. No final, vai certamente dar o tempo como bem empregue. 

Para terminar, um dia encha-de de coragem e desligue o telemóvel quando acordar. A meio da tarde mantenha-o desligado e à noite também. As máquinas também têm direito a dias de descanso!

 

14 de Agosto, 2017

Como transformar uma van numa habitação

Patrícia Teixeira

zach-both-chevy-cargo-van-mobile-filmmaking-studio

De livre vontade jamais abandonaria o conforto da minha casa para morar numa van. Nunca tive espírito nómada e duvido que quem o faça, a páginas tantas, não sinta falta de um porto seguro, de comodidades que é impossível encontrar numa "habitação portátil", por muito bem apetrechada que seja. Mas a ideia de passar uns dois meses a viajar pela Europa nesse contexto passa-me recorrentemente pela cabeça. Vai daí, resolvi partilhar convosco a história de Zach Both. É inspiradora quanto baste para fazer-nos, pelo menos, sonhar com ela...

Aos 23 anos Zach Both trabalhava em Boston como director de arte para uma star-up de impressão de arte em 3D. Gostava do que fazia mas passar o dia sentado numa secretária causava-lhe uma espécie de "nervoso miudinho permanente", como ele gosta de descrever. Sempre sonhou ser cineasta e era esse agora o plano que se seguia. Um dia, no meio do balanço entre os prós e os contras de trocar a estabilidade por uma vida de risco, assistiu a um vídeo do alpinista Alex Honnold, que reside numa van personalizada e viaja de montanha em montanha. Deu-se o click! No final de 2014 investiu 3900 dólares numa van Chevrolet Express e, com a ajuda do pai, transformou aquilo que era um mero bloco de ferrugem numa verdadeira casa sobre rodas. 

Em Julho de 2015 iniciou a viagem em direcção ao oeste americano. Na mala pouco ou nada levou! Na rota incluiu vários pontos dos Estados Unidos numa aventura que baptizou de  "cool creative roadshow". A intenção era viajar e, sobretudo, ir colaborando com artistas locais em curtas-metragens. E como em todas as boas aventuras, também nesta houve percalços e situações inusitadas. Ficou preso em estradas no meio do nada, sem combustível, e passou o Natal com uma família que conheceu em Washington. No fundo, viajou por onde quis e bem lhe apeteceu. 

Mas como é óbvio, na vida real nem tudo acontece como nos guiões cinematográficos. Percebeu que ia ser difícil encontrar apoio para os seus projectos cinematográficos nos meios rurais e decidiu mudar o rumo da história. Foi para Los Angeles onde começou a trabalhar em networking e fez um curta-metragem, "Unseen, Unknown". Com uma grande diferença em relação à maioria dos cineastas...depois das gravações, Zach nunca ficou num estúdio, atrás de uma secretária, a editar o filme. Subia até ao Parque Nacional Joshua Tree ou até às montanhas acima de Santa Barbara, na Califórnia, e foi de lá, na sua van, que editou o filme, num computador portátil. A paisagem inspiradora deu-lhe pontos de vista que a secretária de um escritório em Boston jamais poderia dar. Não deixem de passar pelo site The Vanual, criado por Zach, que serve de manual online, com todas as etapas de transformação de uma van. Muito prático e mesmo bem conseguido!

Hit the road Zach...

 

3.jpg

4.jpg

160615_EYE_ZachBoth05.jpg.CROP.original-original.j

12552423_954223541332213_744071387_n.jpg

kyle johnson.jpg

kyle johnson2.jpg

The-Vanual-by-Zach-Both-1-1020x610.jpg

zach-both-chevy-cargo-van-mobile-filmmaking-studio

zach-both-chevy-cargo-van-mobile-filmmaking-studio

Zach-Both-mobil-ofis-studyo-karavan-1.jpg

 

Zach-Both-mobil-ofis-studyo-karavan-1.jpg

zach-both-chevy-cargo-van-mobile-filmmaking-studio

zach-both-chevy-cargo-van-mobile-filmmaking-studio

zach-both-chevy-cargo-van-mobile-filmmaking-studio

FOTOS: ZACH BOTH

 

 

 

07 de Agosto, 2017

Sangria de Margarita

Patrícia Teixeira

 

Margarita-Sangria-7.jpg

Confesso que a fusão destas duas bebidas, sangria e margarita, nunca me tinha ocorrido antes. Para quem não sabe, a sangria nasceu de uma receita muito básica que mistura vinho tinto com pedaços de frutas da estação e um pouco de açúcar ou mel. Com o tempo foi ganhando fama e surgiram inúmeras formas de prepará-la, mais complexas, com novos sabores e outras bebidas à mistura. 

Por isso, lá decidi arriscar esta receita que vi na internet. Adorei e decidi partilhá-la convosco...

Ingredientes:

1 laranja cortada m rodelas finas

2 chávenas de morangos fatiados

1 lima às rodelas

meia chávena de xarope de agave ou mel

1 garrafa de vinho da casta Sauvignon Blanc 

1 chávena e meia de tequila

meia chávena de sumo de ananás natural

meia chávena de sumo de lima

1 copo de água com gás

folhas de manjericão

 

Preparação

Misturem todos os ingredientes num jarro e deixem repousar no frigorífico durante pelo menos duas horas antes de servir. 

Pág. 1/2