Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

SE A INÊS SABE DISTO!

SE A INÊS SABE DISTO!

30 de Junho, 2016

Finalmente jantei bem num festival!

Patrícia Teixeira

Dificilmente saíremos de um festival de música com boas recordações gastronómicas na bagagem. Dentro dos recintos as opções são poucas, a qualidade é fraca e o preço demasiado alto. Arranja-se o pretexto de que os festivaleiros preferem cachorros e pizzas. E isso talvez não esteja tão longe assim da realidade. Mas quem arrisca...petisca! Literalmente! Este ano o NOS Primavera Sound, por exemplo, destacou-se por um investimento bastante forte na área da restauração. E até onde sei, o balanço foi bastante positivo. Não faltaram cachorros e pizzas mas também comida biológica, vegan, sushi, francesinhas, leitão e outros petiscos.

Por cá, na Ericeira, nem tudo foi péssimo neste sector. Apesar da minha estreia no recinto do Sumol Summer Fest ter ficado marcada por um cachorro que mais vale nem recordar, acabei por ser salva pela Merenda Portuguesa. Já tinha ouvido falar desta marca mas nunca tinha estado frente a frente com este encanto de roulotte gastronómica. Aqui há farinheira com ovos e feijão verde, bifanas com molho de cerveja e mostarda, frango na púcara, cozido à portuguesa, salsichas com couve lombarda e uma opção vegan. Tudo "embrulhado" num pão com um formato super original e tão inteligente que não é necessário fazer malabarismos para que possamos fazer a degustação sem que metade vá parar ao chão. Paguei €4,75 por uma merenda enorme e deliciosa de ovos mexidos com farinheira e um pacote de batatas fritas artesanais. Um preço justíssimo pela qualidade que faz pendant com a enorme simpatia dos funcionários. Eles vão estar nos dias 8, 9 e 10 de Julho no StrEATfest, nos Jardins de Belém. Passem por lá, experimentem e digam-me de vossa justiça. 

 

1 .jpg

3.jpg

4.jpg

2.jpg

Bifana.jpg

BacalhauEspiritual.jpg

Três Tipos Pão.png

Merenda 4 (1).jpg

Fotos: Merenda Portuguesa

23 de Junho, 2016

Sushi na praia é na Ericeira

Patrícia Teixeira

13511405_10208187713984537_645442596_n.jpg

Para os amantes de sushi e praia, poucas combinações haverá mais apelativas que esta. O bar/restaurante Na Onda fica mesmo na praia da Foz do Lizandro, na Ericeira, e é um dos melhores spots de Verão. O ambiente é muito descontraído e é isso que se pede num espaço à beira-mar plantado. Para começar vamos esclarecer que a decoração não é a de um restaurante típico japonês porque aqui, apesar do sushi ser protagonista, a ementa foi estruturada com outras opções para quem não é muito fã deste tipo de cozinha. Mais um ponto a favor quando em causa está a escolha de um restaurante que alia a boa mesa ao convívio! E isso não invalida, em nada, a qualidade das iguarias japonesas que lá são servidas. Pelo contrário!

E como se não bastasse a paz e a tranquilidade que aquele imenso areal e o mar ao fundo proporciona, somos sempre surpreendidos pela variedade de sushi e sashimi que compõe a ementa. É ponto assente que os olhos também comem e merece destaque o cuidado na apresentação, como se pode ver pelas imagens. Depois, e porque sem isso o resto depressa se torna irrelevante, um merecido elogio à frescura dos ingredientes, que é sempre respeitada com o máximo rigor. Por isso, se estão à procura de um sítio onde possam saborear um sushi mesmo ao pé da praia, aconselho vivamente que façam uma visita ao bar/restaurante Na Onda

 

13522463_10208187715664579_1762201924_n.jpg

13522638_10208187718344646_595345825_n.jpg

13530245_10208187719024663_1230431325_n.jpg

13530249_10208187718744656_801233699_n.jpg

13515246_10208187717624628_1252947740_n.jpg

13515412_10208187671223468_863468496_n.jpg

13521177_10208187715904585_1476742478_n.jpg

13521751_10208187713944536_1417162994_n.jpg

13514330_10208187716944611_1541956202_n.jpg

13514337_10208187718584652_1676670838_n.jpg

13514387_10208187670703455_126366340_n.jpg

 

 

13511461_10208187717344621_1473260069_n.jpg

13511504_10208187718264644_1918672723_n.jpg

13511588_10208187716904610_408268117_n.jpg

13514312_10208187714784557_1503424882_n.jpg

13510584_10208187714904560_1625591341_n.jpg

13511376_10208187719104665_1594192177_n (1).jpg

13511405_10208187713984537_645442596_n.jpg

 

 

 

21 de Junho, 2016

E só precisamos de 5 Ingredientes, 5 Euros e 5 Minutos...

Patrícia Teixeira

ritanascimento.jpg

 

A foto diz tudo! Na próxima quinta-feira, dia 23 de Junho, pelas 18.30 horas, o El Corte Inglés, em Lisboa, promove o showcooking "Sobremesas 555 – 5 Ingredientes, 5 Euros, 5 Minutos". É este o nome do mais recente livro da chef de pastelaria Rita Nascimento e também o mote desta demonstração culinária que tem tudo para ser uma verdadeira delícia. Basicamente o objectivo é dar a conhecer receitas que se fazem em 5 minutos, com 5 ou menos ingredientes e que custam até 5 euros. São doces sugestões para surpreender aquelas visitas inesperadas, exigentes e gulosas, ou simplesmente satisfazer os ataques de gula que chegam quase sempre sem avisar.

Autora do livro "A Vida Secreta dos Gelados Caseiros", que venceu em Portugal os prémios Gourmand World Cookbook Awards na categoria de Best Single Subject Book, a Rita tem também uma marca de mixies para cookies e cakes, La Dolce Rita, e um canal no YouTube com o mesmo nome. É lá que semanalmente ela apresenta receitas deliciosas de pastelaria e foi lá também que aprendi, há uns meses, a fazer um bolo mousse de chocolate simplesmente divinal. Ela vai estar ao vivo e a cores nesta demonstração e se quiserem saber mais detalhes do evento, basta dar uma espreitadela aqui

16 de Junho, 2016

A minha passagem por Veneza...

Patrícia Teixeira

sailing-venice-91.jpg

 

Hoje apeteceu-me remexer nas poucas fotos que tirei quando estive em Veneza. Fui em trabalho e não houve muito tempo para conhecer a cidade, como ela merece ser conhecida. Tem a fama de ser a mais romântica do mundo! E, de facto, Veneza desperta paixões. Entre um passeio de gôndola ou um simples café no Florian, é mesmo difícil resistir ao charme deste lugar. Aliás, foram poucas as cidades que, até hoje, tiveram o condão de inspirar tantos poetas, tantos filmes, tantas lendas... Apesar do foco no turismo, para os românticos continua a ser um lugar ímpar, onde o pôr-do-sol no Grande Canal tem um encanto especial. Para os mais racionais, a "cidade das gôndolas" pode ser apenas um lugar que nasceu e cresceu sobre uma laguna. Menos poética, esta designação não lhe retira a grandeza da arquitectura e a forma inteligente como os venezianos construíram e embelezaram uma cidade sobre um fundo lodoso. 

A Piazza di San Marco é o coração e a alma de Veneza. E disso não restam dúvidas! Conta-se que quando Napoleão viu esta cidade pela primeira vez, chamou-lhe "o mais belo salão da Europa". E eu concordo! Um passeio nocturno por esta praça é uma experiência que transcende qualquer expectativa. Os famosos Caffé Florian e o restaurante Quadri, com orquestras permanentes, presenteiam-nos com uma deliciosa "competição" entre si. Surpreendeu-me o facto de, numa praça atolada de pessoas, prevalecer o respeito pelos artistas e não se ouvir mais do que um burburinho de fundo. 

A cidade está cortada por canais e é através dos mesmos que chegamos a qualquer ponto de Veneza. O maior de todos, o Grande Canal, é cruzado pelas pontes Degli Scalzi, Rialto e Accademia. Nas suas margens existe um sem número de palacetes, erguidos nos séculos XVII e XVIII, que narram, detalhadamente, a história e extravagâncias desta cidade. 

E como não podia deixar de ser, na terra das gôndolas é imprescindível que passemos pela experiência de passear numa delas. Mas atenção! Para evitar surpresas, tentem combinar previamente um desconto com o gondoleiro. É que o preço de uma hora de passeio pode atingir valores verdadeiramente exorbitantes. E, por norma, esse valor não inclui o acompanhamento musical. Por isso, certifiquem-se bem de todos os detalhes antes do embarque para que o romantismo da coisa não se transforme num pesadelo. 

De resto, os vaporettos são o meio de transporte mais comum por aqui. Mas para quem não domina o italiano, que é o meu caso, nem sempre a aventura de circular neste meio de transporte corre pelo melhor. As paragens têm todas nomes parecidos e muito facilmente vamos desembarcar à outra ponta da cidade. Existe a alternativa dos barcos-táxi mas é uma opção bem mais dispendiosa, principalmente a partir das 20:00. 

No último dia de viagem ainda tive tempo de conhecer a ilha de Lido, a famosa praia dos ricos e famosos. Uma das zonas mais luxuosas da cidade, serviu de cenário ao filme "Morte em Veneza". É lá também que acontece o famoso festival de cinema de Veneza. De regresso ao hotel passamos ainda por outra ilha, Murano, célebre pela indústria do vidro. Valeu pela paisagem mas as peças de vidro que se encontram à venda nas imensas lojas de souvenirs são verdadeiramente caras. 

Em suma, é um destino que vale a pena, merece ser conhecido, merece ser descoberto e é pouco provável que não regressem encantados com aquele lugar. 

 

3_-Venicejpg_3132306a-xlarge.jpg

00168327.jpg

14604489053.jpg

Caffe-Florian-Cafe-Venice-Italy.jpg

Canon1.jpg

description-02-b.jpg

entrata_g.jpg

florian-interior-2.jpg

giro-gondola-venezia-660x330.jpg

PSF-Burano-Venice-Italy.jpg

santamarinavenice-hotels-italy-venice-castello-511

vaporetto-actv-venezia-766x297.jpg

veneza.jpg

 

 

15 de Junho, 2016

Boas razões para não perder o Sumol Summer Fest

Patrícia Teixeira

cartaz sumol.png

 

A 8ª edição do Sumol Summer Fest está à porta (no meu caso, literalmente à porta de casa :) e este ano o cartaz é, na minha opinião, bastante mais apelativo que em anos anteriores. Pelo menos mais versátil. É certo que não cumpre com rigor a denominação de festival de reggae mas quando a receita não corresponde às expectativas, há que apelar à inovação, à mudança de roupagem e dar nova vida a um evento que reúne todas as condições para ser o must do verão. Para começar não é um festival urbano e isso, quanto a mim, é uma das grandes vantagens. Outra, talvez a maior de todas, é que fica mesmo à beira da praia. Aliás, das praias. A da Empa e a do Matadouro, mesmo em frente ao recinto, e a menos de 1 Km, a da Ribeira D'Ilhas, que será também palco dos soundset's do festival. 

E se ter mar, sol (esperemos!) e areia já é vantagem quanto baste, o facto de podermos deslocar-nos a pé até ao centro da Ericeira soma alguns pontos a este evento. Reconhecida como Reserva Mundial de Surf desde Outubro de 2011, a vila tem estado em destaque pelo mundo, eleita por diversas vezes como um dos destinos mais cool da Europa. 

O preço dos bilhetes também leva vantagem, em comparação com outros festivais. O passe diário custa 30 euros e para os 2 dias 45 euros (sem camping) e 55 euros (com camping). Existem ainda outros pacotes, com vantagens adicionais, que poderão consultar aqui. E por falar em acampar, não é demais lembrar que o Ericeira Camping, onde irá decorrer o festival, é considerado um dos melhores do país em termos de infraestrutura. Não mencionando a vista de excelência, claro! Por último, e não menos importante, o cartaz que este ano traz à Ericeira nada mais nada menos que Gabriel o Pensador, Madcon, Robin Schulz, Elliphant, Blaya, Trevo, Jimmy P, Azealia Banks, entre muitos, muitos outros. Visitem o site do Sumol Summer Fest para conhecer todos os detalhes do evento. Eu, este ano, não falto!

 

 

 

 

 

 

 

 

10 de Junho, 2016

Há um novo bar de praia na Fonte da Telha!

Patrícia Teixeira

13315568_1739098013034448_4781753620434946596_n.jp

 

Para início de conversa a localização é, só por si, uma grande vantagem. O Areias da Telha fica na Praia do Sueste, na Fonte da Telha, e tem as portas abertas desde o dia 9 de Junho. É hamburgueria, é bar e é tudo o que precisamos para respirar fundo, desacelerar e mudar de ares. A decoração, o ambiente e a paisagem cruzam-se numa harmonia perfeita para um verão que promete pés na areia e a certeza de que pouco ou nada nos pode desencaminhar de um dia ou uma noite muito bem passados. Paulo Barata é o proprietário deste cantinho que está também preparado para receber eventos, festas de aniversário e jantares de grupo. Uma coisa que depressa se aprende quando aqui chegamos é que os momentos de descontracção são nossos por direito. Por isso, não vale a pena tentar enquadrar o stress com um cenário que nos presenteia com mar, natureza e um areal de perder de vista. 

Eu estive lá no dia da abertura e, justiça seja feita, se há noites perfeitas, esta foi uma delas. A escolha da banda e dos dj's encarregues de animar a noite não podia ter sido mais pertinente. Orlando Santos abriu as hostes com um concerto de soul, reggae e um cheirinho de folk e a pista estreou assim em grande, numa festa de amigos, feita para amigos e para todos aqueles que encheram o espaço e criaram um ambiente verdadeiramente descontraído e contagiante. Seguiu-se o Dj Jeff Silver com um set brilhante de músicas actuais e sucessos de outras épocas. Foi um dos pontos altos da noite.

Para fechar em grande estilo, o Dj Frank Calvin, com 3 décadas de experiência à frente das mesas de mistura, transportou-nos  numa viagem deliciosa de regresso ao passado, à melhor música que marcou a era de 80. Parabens Frank Calvin! É incrível assistir à empatia que crias com o teu público, numa denúncia óbvia da tua paixão por esta arte.

E porque o verão é música, areia, mar e muita descontracção, não percam de vista este espaço...

2.jpg

5.jpg

13315568_1739098013034448_4781753620434946596_n.jp

DSC_0108 (2).JPG

 

 ORLANDO SANTOS

 

DSC_0118 (3).JPG

  DJ JEFF SILVER

 

DSC_0188.JPG

 

DSC_0160.JPG

 

   VJ FRANK CALVIN

 

DSC_0182.JPG

 

DSC_0125.JPG

DSC_0144.JPG

  PAULO BARATA (À ESQUERDA), PROPRIETÁRIO DO ESPAÇO

DSC_0127 (2).JPG

DSC_0129 (2).JPG

DSC_0131.JPG

DSC_0164.JPG

DSC_0166 (2).JPG

DSC_0167.JPG

 

 

 

Pág. 1/2