Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

seainessabedisto

Um filme de terror chamado "desactivei temporariamente o meu perfil do facebook"

 

help.jpg

 

 

Um dia acordei e decidi cancelar a minha conta do facebook. Estava realmente saturada da informação desnecessária com que era bombardeada todos os dias, não mencionando a quantidade de fotos que eu escusava de ter visto. Não tenho nada contra as panquecas que a Maria faz ao pequeno-almoço mas, muito honestamente, a não ser que a receita viesse incluída no post ou que eu tivesse sido convidada para prová-las, o que é que aquilo me interessa? Enfim, como não estava com tempo nem paciência para fazer uma triagem das amizades virtuais, enchi-me de coragem e decidi bloquear esta rede social da minha vida!

Preparada para enfrentar os mais variados olhares e comentários esquizofrénicos (bem como alguma exclusão social), lá entrei no facebook pela "suposta" última vez (já com uma certa nostalgia, claro). Segui as indicações para que a conta fosse eliminada e, a poucos segundos de reconquistar a liberdade, começa o filme de terror. Sou confrontada com a pergunta que eu temia :"Isto é temporário?". Naquele momento passou-me tudo pela cabeça : "E se um dia preciso de entrar em contacto com a pessoa X? Não devo precisar, até porque se ela fosse importante na minha vida eu já teria o nº de telefone. Mas mesmo não tendo o nº de telemóvel da Sara, sempre achei piada aos bolos que ela faz com as figuras da Disney. E se um dia  a minha sobrinha faz uma birra porque quer um bolo com os Três Metralhas?". E pronto, temendo um futuro cheio de problemas circunstanciais deste tipo, lá respondi que sim, que era uma decisão temporária. Missão cumprida! Espalhei aos sete ventos, inchada de orgulho, que já não tinha facebook. Um dia, com aquele ar de "não percebes mesmo nada disto", uma amiga disse-me: "Olha que não cancelaste isso como deve ser. É que ainda hoje entrei no teu perfil e estava tudo normal". "Impossível", respondi eu com o mesmo ar de "não percebes mesmo nada disto", mas duplamente mais intenso que o dela. Perante a minha incredibilidade e, confesso, uma expressão facial de terror, ela sacou o telemóvel da mala, abriu o facebook e lá estava eu!

Moral da história: o facebook é querido, democrático e aceita as decisões das pessoas. Mas ao fim de 7 dias, sem que tenhamos de fazer absolutamente nada para isso, ele ressuscita sozinho! Pois, é verdade! E se mantivermos a decisão de continuar longe desta rede social, somos obrigados a fazer tudo outra vez. E sempre a mesma pergunta: "Isto é temporário?". Mais ou menos como nas audiências de divórcio...

4 comentários

Comentar post