Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

seainessabedisto

Ensino público vs ensino privado

balança.jpg

 

Texto de Edmundo Gonçalves 

edmundo.jpg

Li um recente estudo publicado no sítio da Direcção-Geral de Estatísticas da Educação e da Ciência (DGEEC), de acesso público portanto, e que pode ser consultado pelo(a) estimado(a) leitor(a).

A conclusão a que chega, de forma simples e para que não vos dê muito trabalho a pensar sobre o assunto, é esta em concreto: Os alunos dos estabelecimentos de ensino privado em situações de igualdade de aferição de resultados com os do ensino público, obtêm em média os mesmos resultados mas, nas provas de avaliação interna, a sua média é significativamente superior aos seus colegas do ensin3no público.

Curiosa esta conclusão.

Ainda mais curioso é que os resultados entre estabelecimentos de ensino privado é díspar consoante a região do país em que se encontram, sendo muito mais notória que entre os do público, o que quer dizer que há uma maior uniformidade na avaliação no público que no privado, não é preciso ter grande conhecimento sobre a matéria para se chegar a esta conclusão. Por exemplo os privados do concelho do Porto têm médias muito mais elevadas que os do concelho de Lisboa, o que não se verifica no público.

Rai’s ma parta se isto não tem a ver com negócio!

Estão a ver o mesmo que eu? –Querido, vamos pôr o menino no colégio X, porque sei que têm excelentes resultados.

-Mas isso não interessa nada, dir-me-ão vomecês. Interessa, porque para entrar na faculdade a média (interna, das provas feitas nos estabelecimentos de ensino que frequentam) do secundário é preponderante.

-Então isso é concorrência desleal! Concluirão V. Excelências, que não são toscos da moleirinha.

Pois é! E sabem que mais? Esta concorrência desleal que muito bem concluíram haver neste pagode, é paga pelo Estado, por todos nós, por aqueles que pagam impostos, uma vez que há colégios privados financiados pelo erário público (menos agora, por iniciativa governamental). Em absurdo (ou talvez não) teremos o filho de alguém que recebe o salário mínimo, a financiar o colégio de alguém que aufere um salário substancialmente mais elevado e a garantir-lhe um acesso mais fácil ao ensino superior. Local onde ele dificilmente gastará as solas dos sapatos.

Igualdade de oportunidades? Bahhhhh

2 comentários

Comentar post