Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Se a inês sabe disto

Cuidado, não se despistem

jamaica.jpg

 

 

Leio que a Federação de Desportos de Inverno de Portugal (FDIP) pretende ver disponível no Desporto Escolar uma coisa que dá pelo nome de Ski 4 All (esqui para todos), que vai ter lugar até Abril (já vai na quarta edição) e movimenta 1 800 alunos de 32 escolas de nove distritos, dos três ciclos de escolaridade (1.º, 2.º e 3.º) e visa pô-las em contacto com os desportos de neve.

Eu acho bem. Desde que vi a equipa de bobsleigh da Jamaica nos Jogos Olímpicos de Inverno, acho que nós, que até temos neve, pouca, mas temos, artificial às vezes, mas temos, temos todo o direito e até a obrigação de começar a desenvolver os desportos de inverno.

As aulas de esqui e snowboard deste "esqui para todos" decorrem na pista artificial do SkiParque de Manteigas e cada estudante paga o valor simbólico de um euro, com a atividade a contemplar o acesso às pistas, equipamento e alimentação. Esperemos que os miúdos sejam bem alimentados, que andam por aí notícias sobre alimentação desadequada nas escolas...

Pedro Farromba, presidente da FDIP, explicou que o programa faz parte da oferta em alguns estabelecimentos de ensino próximos da Serra da Estrela, mas lembrou estarem a ser feitas diligências no sentido de alargar o projeto.

"A ideia que temos, é conseguir que o projeto seja uma das modalidades disponíveis no Desporto Escolar. Podemos gerir todo este processo, ou em Lisboa ou em Manteigas". Quer dizer que a juntar ao peso enorme das mochilas, vamos ter a rapaziada de esquis às costas e botas atadas à cintura a caminho da escola, ou encosta acima...

O dirigente informou já terem sido feitos contactos e mostrou-se convicto de que é uma questão de tempo até todos os alunos terem acesso ao esqui e ao snowboard. Quero gabar-lhe a resiliência e o atrevimento, sinceramente. Vai bater com a cabeça em tantas portas que se conseguir será elevado à categoria de heroi nacional!

O presidente da FDIP acentuou que a iniciativa, nos moldes em que está a funcionar, tem sido uma oportunidade para muitas crianças poderem experimentar desportos de neve. E sempre é mais completo que o tradicional escorregar em cima de um saco de plástico, para o qual já é necessária alguma perícia, diz quem já se esbardalhou ao comprido numa aventura dessas.

O número de vagas tem vindo a aumentar desde o primeiro ano e nesta quarta edição os lugares foram preenchidos em apenas dois dias, por escolas dos distritos de Lisboa, Coimbra, Porto, Viseu, Bragança, Guarda, Castelo Branco e, pela primeira vez, também Setúbal e Braga, a primeira com enormes tradições em desportos de Inverno, como se sabe; É célebre o slalom gigante da Arrábida e o concurso de saltos de trampolim do Convento de Jesus para Albarquel. Para alunos de 15 escolas do concelho da Covilhã, cidade onde a federação tem a sede, estavam destinadas 750 vagas.

Este ano, a organização reservou 300 lugares adicionais exclusivos para pessoas portadoras de deficiência intelectual, numa parceria com o movimento Special Olympics Portugal, que eleva para 2.100 o número de pessoas abrangidas. Uma atitude de louvar!

João Neto, em representação do Special Olympics, disse esperar que este seja o início de uma caminhada que, no futuro, possa levar atletas portugueses aos Jogos de Inverno, do movimento, o que nunca aconteceu.

O Ski 4 All é apoiado pelo Programa Nacional Desporto para Todos, que tem como missão a promoção e o desenvolvimento desportivo, a educação para e pelo desporto e a promoção da saúde.

Até agora estiveram envolvidos na iniciativa 75 escolas e cerca de quatro mil crianças. Este ano as sessões começam dia 13 de outubro.

Daqui até termos o Cristiano Ronaldo das pistas vai um saltinho.

A medida terá consequências que irão muito para além do desenvolvimento psico-motor dos infantes e jovens portugueses, por exemplo, se os caros amigos forem uns tesos como eu e não tiverem dinheiro para ir laurear a pevide para aquele sítio ali em baixo nos alpes suiços, sempre podem ir para as nóveis estâncias de desportos de Inverno que certamente o Estado português não deixará de erguer, para dar vazão às centenas, milhares, talvez dezenas de milhares de praticantes que começarão agora a despertar para as modalidades.

Tenho aqui ainda uma pequena dúvida: Está um calor de ananases, não há água, não se prevê chuva, quanto mais neve. Não será destemperado?

 

Nota: O artigo é do SAPO, os sublinhados são de minha autoria.